O nome LED vem da tradução do nome do componente (do inglês, light-emitting-diode) e, além de estarem presentes na microeletrônica como pequenos sinalizadores, estão em equipamentos maiores, como semáforos e grandes painéis, e de alguns anos pra cá estão em quase todos os cantos da nossa casa – relógios digitais, celulares, televisores, lâmpadas e luminárias, entre outros. É a eletrônica na nossa vida!

No último post falamos sobre alguns dos componentes fundamentais da eletrônica. E entre eles, o diodo de luz – também conhecido como LED – ganhou destaque nos últimos anos como alternativa às tradicionais lâmpadas incandescentes, que desde julho de 2015 começaram a deixar o mercado. 

Tal medida foi tomada como forma de estimular os consumidores brasileiros a optarem por modelos de iluminação mais econômicos. Hoje, não só ambientes domésticos como diversas vias públicas no país já são iluminadas por LEDs, a exemplo do Parque Ibirapuera em São Paulo.

Antes dopados apenas com fósforo, emitiam luzes amarelas e vermelhas. Mas com os avanços das pesquisas de novos materiais, hoje fabricam-se LEDs de cores diversas como verde, azul, violeta, etc.

Saiba mais abaixo sobre as vantagens e desvantagens das lâmpadas de LED:

VANTAGENS

eficiência energética é, sem dúvidas, a vantagem de maior destaque. Por emitirem mais luz utilizando menos energia (em watts), as lâmpadas de LED são boas alternativas a quem deseja reduzir o consumo de energia elétrica sem perder a eficiência da iluminação.

A durabilidade e a resistência também são pontos favoráveis, durando mais horas de uso e sendo mais robustas e resistentes a impactos e variações de temperatura. Para se ter uma ideia, alguns modelos possuem cerca de 50.000 horas de vida útil, enquanto modelos incandescentes e fluorescentes variam em torno de 1.000 a 7.000 horas.

A não emissão de calor e raios infravermelhos e ultravioletas também são vantajosas, evitando o aquecimento dos ambientes (e possivelmente a diminuição do uso do ar condicionado – economia!) e os danos a pele e objetos sensíveis como quadros, móveis, etc.

Além disso, por não possuírem metais pesados como chumbo ou mercúrio, as lâmpadas de LED não requerem descarte especial como as fluorescentes, sendo que o alumínio e o aço utilizados em sua fabricação podem ser reciclados.

DESVANTAGENS

O principal ponto de resistência à utilização das lâmpadas de LED é devido ao seu alto custo. Como parte da matéria-prima utilizada na fabricação desse tipo de lâmpada é importada, fica sujeita à variação da moeda e encarece seu preço final.

Enquanto uma lâmpada fluorescente de 15w pode custar em torno de 9 reais, a de LED de 7w sai por volta de 35 reais. 

Então, caberá ao consumidor investir ou não na sua relação custo-benefício, levando em consideração que o retorno desse investimento pode ser de médio a longo prazo.

NOVAS PESQUISAS

Se a grande questão da lâmpada de LED é ainda o seu alto custo de implementação, há vários grupos tentando resolvê-la. 

Em 2015, uma equipe da Universidade Estadual da Flórida (EUA) desenvolveu uma nova tecnologia para fabricação de diodos emissores de luz que utiliza materiais orgânicos e inorgânicos, formando um material híbrido que pode ser dissolvido e aplicado como uma tinta, barateando o processo de produção.

A facilidade se dá pela simplificação da fabricação, já que ao invés de necessitar de quatro ou cinco camadas depositadas de material, seria necessária apenas uma camada desse novo material híbrido já dissolvido. Sua estrutura é formada por uma película de perovskita e óxido de polietileno entre uma camada de óxido de índio-estanho (ITO) e índio-gálio. Esse “novo LED” emite luz nas cores vermelha, azul, verde e branca.

Há ainda estudos para a produção de LEDs orgânicos a partir de resíduos de alimentos e bebidas e também de proteínas luminescentes em formas de borracha. Atualmente, o campo de pesquisa se volta para alternativas mais baratas de produção de diodos emissores de luz que viabilizem sua adoção de forma mais generalizada.

———

E você? Já fez a opção pelas lâmpadas de LED em sua casa? Notou alguma diferença na conta de energia elétrica? Conte sua opinião e experiência em nossas redes sociais.